[google4ef896410eb5a6b5.html] [google4ef896410eb5a6b5.html] Você sabe por que é tão importante se imunizar?

PORTO ALEGRE / RS

Rua Silva Jardim, 408

Mont Serrat

Porto Alegre - RS

90450-070

 

+55 51 3061 4004

CAMPINAS / SP

Av. Sen. Antônio Lacerda Franco, 735
Jardim do Lago
Campinas – SP
13050-030

 

+55 19 3045 8500

  • Imunosul Vacinas Humanas
  • Imunosul Vacinas Humanas

Você sabe por que é tão importante se imunizar?

October 19, 2018

 

Vacinas

 

As vacinas são substâncias que têm como função estimular nosso corpo a produzir respostas imunológicas, nos protegendo contra determinadas doenças. Elas podem ser aplicadas por meio de injeção ou por via oral (boca). 

 

Como a vacina atua no nosso corpo?

 

 

As vacinas são o meio mais seguro e eficaz de nos protegermos contra determinadas doenças infecciosas e, são desenvolvidas a partir de partículas do próprio agente agressor, de forma enfraquecida ou inativada (morta).


Quando nosso organismo é atacado por um vírus ou uma bactéria, nosso sistema imunológico reage para interromper a ação dos agentes desconhecidos. No entanto, nem sempre é possível detê-los e, por consequência, ficamos doentes.


Neste contexto, a função das vacinas é passar por esses agentes infecciosos afim de estimular a produção de nossas defesas, por meio de anticorpos específicos. A partir desta ação, nosso organismo aprende a se defender de forma eficaz e, quando o vírus ou a bactéria ataca novamente, a defesa é reativada por meio da memória do sistema imunológico. 


Este processo, faz com que a ação do agente desconhecido seja limitada, sendo totalmente eliminado antes que a doença se instale em nosso corpo.

 

Por que se vacinar?

 

A vacina é capaz de proteger nosso organismo e proporciona benefícios como:

●    Redução dos números de casos de doenças infecciosas em toda a comunidade, uma vez que a transmissão é diminuída;
●    Diminuição do número de hospitalizações;
●    Redução de gastos com medicamentos;
●    Redução da mortandade;
●    Erradicação de doenças.

 

Além disso, a viabilidade econômica da vacinação é também indiscutível. Os custos públicos de um programa de vacinação são amplamente suplantados pelos benefícios decorrentes da redução da mortalidade e da melhoria da qualidade de vida da população. 

 

Alguns estudos mostram que o valor investido no desenvolvimento, produção e administração das vacinas pediátricas por cada ano de vida salva pelo conjunto das vacinas mais económicas é, no geral, inferior a poucas dezenas de euros.

 

Vacinas são seguras e eficazes

 

O desenvolvimento de uma vacina segue altos padrões de exigência e qualidade em todas as

 

suas fases, incluindo a pesquisa inicial, os testes em animais e humanos sob rigoroso protocolo de procedimentos éticos, até o processo de avaliação de resultados pelas agências reguladoras governamentais.


No Brasil, o órgão responsável pela avaliação dos resultados de segurança e eficácia de uma vacina e seu registro é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).


Por sua vez, a Anvisa, por meio da Resolução (RDC) n. 55, estabelece os requisitos mínimos para o registro de produtos biológicos, entre eles as vacinas. As fases de desenvolvimento exigidas por essa RDC são:


•    Fase exploratória ou laboratorial: esta é a fase inicial do processo, restrita aos laboratórios. Nela, são avaliadas centenas de moléculas para se definir a melhor composição da vacina.


•    Fase pré-clínica ou não clínica: nesta etapa, são realizados testes em animais para comprovação dos dados obtidos em experimentações in vitro.


•    Fase clínica: esta fase é realizada em pessoas ou pacientes voluntários e dividida em quatro momentos: no primeiro, é realizada avaliação do produto e tem como objetivo analisar sua segurança e se induz alguma resposta imunológica; no segundo momento, o objetivo é avaliar a eficácia e obter informações mais detalhadas sobre a segurança; no terceiro, objetivo é avaliar a eficácia e a segurança no público-alvo, ou seja, aquele ao qual se destina a vacina; e, por último, após a aprovação pela Anvisa, o laboratório obtém o registro que o autoriza a produzir e distribuir a vacina em todo o território nacional. 


Esse acompanhamento também é realizado pelo Ministério da Saúde, por meio do Sistema de Vigilância de Eventos Adversos Pós-vacinação (EAPV) do Programa Nacional de Imunizações (PNI). O principal objetivo é quantificar e qualificar os eventos adversos para não haver dúvidas de que os riscos de complicações graves causadas pelas vacinas são nulos ou muito menores que os oferecidos pelas doenças.

 

Vacinas certas para cada fase


O Programa Nacional de Imunizações (PNI) oferece à população todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no Calendário Nacional de Vacinação, que inclui orientação para crianças, adolescentes, adultos e idosos. Porém, é importante frisar que além das vacinas disponíveis na rede pública, existem as vacinas complementares, na rede privada. Os calendários da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) complementam o PNI, trazendo algumas vacinas ainda não disponíveis na rede pública, mais completas e com foco na saúde individual.


Confira em nosso site, o calendário básico de vacinação, por faixas etárias, e proteja sua saúde de diferentes doenças.

 

Cuide sempre da sua saúde!


Fonte


- SBIM. Consultado em 18 de Outubro de 2018. Disponível em https://familia.sbim.org.br/seguranca
- Brasil Escola. Consultado em 10 de Outubro de 2018. Disponível em https://brasilescola.uol.com.br/saude-na-escola/importancia-vacinacao.htm 
- SBIM. Consultado em 18 de Outubro de 2018. Disponível em https://familia.sbim.org.br/vacinas/perguntas-e-respostas/8-o-que-sao-vacinas-e-como-agem-no-organismo 
 


 

 

Share on Facebook
Please reload

Posts Em Destaque

O sucesso da campanha de vacinação da sua empresa depende diretamente do engajamento dos colaboradores.

March 16, 2018

1/2
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo