[google4ef896410eb5a6b5.html] [google4ef896410eb5a6b5.html] Vai viajar nas férias? Veja todos os cuidados que você deve ter!

PORTO ALEGRE / RS

Rua Silva Jardim, 408

Mont Serrat

Porto Alegre - RS

90450-070

 

+55 51 3061 4004

CAMPINAS / SP

Av. Sen. Antônio Lacerda Franco, 735
Jardim do Lago
Campinas – SP
13050-030

 

+55 19 3045 8500

  • Imunosul Vacinas Humanas
  • Imunosul Vacinas Humanas

Vai viajar nas férias? Veja todos os cuidados que você deve ter!

December 11, 2018

 

Antes de fazer uma viagem é importante estar atento a todas as exigências necessárias para entrar no destino escolhido. Pode parecer que não, mas muitos visitantes desavisados são mandados de volta para sua terra natal sem mesmo ter saído do aeroporto. O motivo? Não tomaram algum tipo de vacina previamente exigida.

 

A maioria dos países que exige vacinação o fazem para precaver que visitantes tragam doenças, e não pelo território apresentar riscos de contaminação, como muitos podem pensar. Então, se você vai viajar nessas férias, confira o artigo especial que preparamos para que nenhum viajante deixe de explorar novos destinos por conta da vacinação.

 

 

Quais países e locais exigem ou recomendam vacinação?

 

 

Muitos países exigem que os visitantes tomem vacinas e, ocasionais vírus alteram as regras de vacinação. A melhor forma de consultar a vacinação exigida por um determinado destino é por meio da lista oficial da Anvisa. Nela, você seleciona o país de destino e recebe todas as informações necessárias sobre as vacinas.

 

 

Como e quando devo me vacinar?

 

 

De modo geral, as vacinas podem ser aplicadas em postos de vacinação ou em clínicas particulares. As regras mudam para cada país, mas a recomendação da Anvisa é que qualquer vacinação seja realizada preferencialmente de seis a oito semanas antes da viagem e, no máximo, quatro semanas antes.

 

Mas fique atento! Se a sua viagem for para o exterior, não esqueça de fazer o Certificado Internacional de Vacinação da Anvisa.

 

 

Certificado Internacional de Vacinação

 

 

O Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) é concedido, no Brasil, pela Anvisa. Para obtê-lo é necessário preencher o formulário no site e dirigir-se, com a carteirinha de vacinação comum, para algum dos Centros de Orientação para a Saúde do Viajante – veja a lista completa aqui.

 

Guarde bem este documento, pois ele será solicitado no check-in quando em viagem para países que o exigem e, em alguns casos, novamente ao desembarcar no país.

 

Ah! Quando retornar, não se desfaça dele, pois a maioria das vacinas possui um extenso prazo de validade e não é necessário fazer um novo certificado com o tempo.


 

Recomendações

 

 

É importante atualizar as vacinas de acordo com o calendário de vacinação do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde. Ficar atento no momento do registro da vacinação no Cartão Nacional de Vacinação é fundamental. É preciso que sejam anotados o lote da vacina, a data de vacinação e o local onde você foi atendido.

 

Como dito, as vacinas têm um período e podem demorar para atingir a proteção esperada. No caso da vacinação contra febre amarela, o não cumprimento do prazo de proteção pode impedir sua entrada em alguns países. Por isso, vacine-se com antecedência!

 

Se você ficar doente dentro da embarcação, comunique o fato à equipe de bordo. Eles tomarão as devidas providências e alertarão os serviços de saúde do local para onde você está se deslocando.

 

Transmissão de doenças por água ou alimentos

 

 

Durante viagens é fundamental ficar atento à segurança e à qualidade daquilo que você ingere ou oferece às crianças. Confira algumas medidas básicas de higiene para evitar possíveis doenças durante o passeio:

 

  • Lave as mãos com água e sabão ou solução anti-séptica frequentemente, principalmente, antes de ingerir alimentos e após utilizar sanitários ou conduções públicas, visitar mercados ou locais com grande fluxo de pessoas;

  • Beba água tratada acondicionada em embalagens lacradas ou de fonte segura. Se isso não for possível, trate a água disponível com Hipoclorito de Sódio a 2,5%, colocando 2 gotas em 1 litro de água e aguardando 30 minutos antes de consumir; Evite adicionar gelo de procedência desconhecida às bebidas;

  • Assegure-se de que todo alimento esteja bem cozido, frito ou assado. Os alimentos perecíveis devem ser mantidos em baixa temperatura - ou seja, abaixo de 5° C - ou bem aquecidos - acima 60 °C -. Evite o consumo de frutos do mar crus, leite e seus derivados crus;

  • Evite o consumo de preparações culinárias que contenham ovos crus;

  • Evite frutas e verduras descascadas ou com a casca danificada: a casca protege esses alimentos de contaminação. Quando for consumir alimentos exóticos, seja prudente e não exagere;

  • Evite o consumo de alimentos vendidos por ambulantes;

  • Alimentos embalados devem conter no rótulo a identificação do produtor e data de validade, e a embalagem deve estar íntegra.

 

Transmissão de doença por mosquito ou carrapato

 

 

Além da transmissão da doença por meio da ingestão de água e/ou alimentos, algumas doenças também podem ser transmitidas por mosquitos ou carrapatos.

 

Esse tipo de doença está geralmente associada ao ecoturismo e ao turismo rural, mas podem ocorrer também em áreas urbanas. Confira algumas dicas para evitar a transmissão da doença:

 

  • Utilize roupas que protejam contra picadas de insetos como camisas de mangas compridas, calças e sapatos fechados, impregnadas com Permetrina;

  • Aplique repelente à base de DEET (dietilmetatoluamida) ou Picaridina nas áreas expostas da pele, de acordo com as recomendações da rotulagem. Mas fique atento para as contraindicações: o uso de DEET é contraindicado para menores de 2 anos; já para crianças acima dessa idade até 12 anos, o repelente à base de DEET deve ter concentração máxima de 10%. Lembre-se de que o produto deverá ser reaplicado caso a pessoa se molhe ou transpire excessivamente e aplicado depois do protetor solar;

  • Dê preferência a locais de hospedagem que possuam ar-condicionado e utilizem telas de proteção nas janelas ou mosquiteiro sobre a cama;

  • Ao se dirigir a áreas com elevada transmissão de malária e em que você vá se encontrar em situações de maior risco, como dormir em locais sem proteção para a picada de mosquitos ou só ter acesso a serviço de saúde a mais de 24 horas de distância, procure seu médico para avaliar a indicação de quimioprofilaxia;

 

 

Transmissão de doença por outros animais

 

 

Algumas espécies de aves e mamíferos também podem transmitir doenças infectocontagiosas, inclusive no meio urbano. Para evitar possíveis transmissões:

 

  • Evite contato próximo com aves vivas ou abatidas;

  • Caso sofra agressão por mamíferos domésticos ou silvestres, lave imediatamente a área com água e sabão e procure atendimento médico.

 

Após retornar de sua viagem, caso apresente febre ou outros sintomas como diarreia, problemas de pele ou respiratórios, procure imediatamente um serviço de saúde e informe quais as regiões que visitou.

 

Agora é só aproveitar o destino e curtir as férias!

 

 

Fontes:

 

  1. Anvisa. Consultado em 07 de Dezembro de 2018. Disponível em http://portal.anvisa.gov.br/dicas-de-saude-para-viagem

  2. Skyscanner. Consultado em 27 de Novembro de 2018. Disponível em https://www.skyscanner.com.br/noticias/dicas/quais-vacinas-devo-tomar-antes-de-viajar

 

 

 

Share on Facebook
Please reload

Posts Em Destaque

O sucesso da campanha de vacinação da sua empresa depende diretamente do engajamento dos colaboradores.

March 16, 2018

1/2
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo